quarta-feira, 18 de abril de 2012

Te esperei dois dias, dois meses, duas semanas, dois anos.... Te esperei a vida quase inteira até ontem, te esperei naquele parque, sentada naquele banco que ficava debaixo da sombra da laranjeira verde. 

Te esperei e sonhei contigo chegando.. Oh, e como sonhei com diferentes chegadas, e sorrisos, e olhares, e palavras doces... Te esperei e sonhei contigo me pegando pelas mãos e me conduzindo a bailar contigo rua afora debaixo de chuva, sentindo frios na barriga, pulando nas poças e se sujando com a lama... Te esperei e sonhei contigo dizendo que me ama, que quase desistiu, mas que sabia que um dia iria me encontrar, e que sabia que estaria naquele banco a lhe esperar... Te esperei, e ouvi você sussurrar um " Venha, vamos nos amar ali naquela barraca! " ao pé do meu ouvido, e eu, louca apaixonada, ia, sem pensar duas vezes, morrer de prazer em teus braços. Te esperei, e vi você se despedindo, e me convidando pra viver o resto da vida ao teu lado, e me levando, contando sobre o futuro maravilhoso que estava a nos esperar... 

Te esperei dois dias, dois meses, duas semanas, dois anos... Te esperei a vida quase inteira até ontem, te esperei naquele parque, sentada naquele banco que ficava debaixo da sombra da laranjeira verde. Te esperei, e você me enviou um torpedo, dizendo que não viria mais, e a laranjeira verde desde então apresentou uma coloração prateada, e eu parti, deixando ali tudo que havia em mim relacionado a você.
Esse vazio junto com essa solidão fazem ecoar o som de uma canção melancólica dentro do meu peito, que toca descompassadamente, tentando seguir o ritmo dos meus dias, tentando transformas as notas melancólicas em notas vibrantes de felicidade. 


Qual foi a última vez que tu ouviu um 'eu te amo'? E porquê agora você sente falta disso? 



Aquela teoria de 'deixar pra lá cansa menos' já perdeu sua eficácia há tempo, ligar o fodas também... E agora a opção é enfrentar os fantasmas  de frente, ou viver fugindo... 


O tempo passou, tudo mudou, a solidão causa terror, e a angústia se torna parte da maioria dos meus dias.

domingo, 15 de abril de 2012

Porque será que eu não consigo ficar bem comigo mesma?
 Porque não consigo ficar só?
 Porque mesmo quando estou com alguém me sinto só? 
Porque eu vivo fugindo de mim mesma?






Porque tantas dúvidas, tantos cortes, tanto tempo perdido -ou não - porque tanto 'porque' ?

domingo, 1 de abril de 2012

Reflexões com Alyta


- É  incrível como as coisas certas acontecem em horas erradas... Seria tão melhor se o 'gostar' acontecesse sincronizado, se quando alguém gostasse de ti vc também conseguisse gostar... Vem o tempo, as coisas acontecem, o foco muda, e quando percebemos é meio tarde, ou tarde demais, as situações exigem mudanças.
- Sei lá, às vezes acho que devia ser permitido desfazer tudo de errado e refazer, ou apagar certas partes, pra seguir sem fantasmas.


- Infelizmente não dá pra vier em anomia né amiga. A vida nos expõe a seguinte lei: 'tudo o que voce faz vai ter um reflexo mais a diante'. Isso é extremamente foda mesmo. Sabe, até temos como programar esses acontecimentos, mas o problema maior é que na euforia de ser feliz metemos os pés pelas mãos.Digo isso em questão de querer acelerar o tempo ou nao nos permitirmos a apagar rapidamente as coisas.
                      
- Podemos programar, conseguimor prever como será adiante, e mesmo assim a gente faz, a gente vive isso. As coisas dão errado, a gente se acostuma às condições impostas, desiste de lutar, depois tenta novamente, chega um ponto onde os nós na garganta chegam a sufocar, e mesmo assim nós seguimos cheio de folhas, mas nos limpamos, e sorrimos, na esperança de que as coisas irão melhorar, de que as folhas secas voarão e que flores nascerão.


- Cara, voce me descreveu agora e encheu meus olhos de lágrimas. O problema é deixar-se levar pelas lembranças nessa última etapa.


- Ah, as lembranças... esses devaneios que nos tiram o sono, que nos fazem sonhar acordados, esses fantasmas tão assombrantes e tenebrosos, essas imagens que vagam pela nossa alma, nos cortando, e por mais que a gente tente não consegue expulsar esses 'demônios'. Podem se passar dias, meses, anos, elas continuam lá, indo e vindo, é tudo tão confuso. 


" A criança se perde do caminho de casa, vagando pela negra floresta com arbustos gigantes, só se ouvem corvos voando, caçando algo, ela corre, desesperada, procurando uma saída, mas tudo que encontra são animais mortos, a neblina tapa a lua, a escuridão assombra, o medo sufoca... em meio a devaneios ela cai, e adormece... o que será dessa criança? "


[ eu tô muito depressiva hoje, pare de ler essas coisas]




- Não, está dizendo realidades.
                      
- Mas a realidade que eu vejo sempre é triste, poxa.


- Não deixa de ser realidade né..
                                
- É, mas eu devia ter um olhar mais otimista... Pessimismo demais faz mal.


- Aí depende de você amiga, depende do modo que voce quer viver. A gente vive aquilo que a gente faz.
                              
- Pois é, preciso me mover, já tá passando da hora.


- Se a cruz tiver muito pesada faça que nem eu : respire.
                          
- Tá tudo pesado: a cruz, o ar, o ambiente, os fatos, a realidade batendo de frente, o cansaço de tentar e tentar..


- Às vezes desligar de tudo e fazer esse 'respirar' leva tudo de ruim embora..
                                 
- Mas como fazer tudo te dar 'unfollow'?


- Fugindo de tudo, não ?
                                
- Não adianta, tudo vai atrás de ti... o jeito é criar mais forças e enfrentar logo! Vamos lá, tem gente em situação pior e se superando, nós também conseguimos


- Precisamos né amiga.